Compartilhe!

Entrevista: Tilman H. Fürniss, especialista em tratamento de casos de abuso sexual infantil

Entrevista

 

Prof. Dr. Tilman H. Fürniss

 

Em homenagem ao dia de hoje, 18 de maio, data em que celebramos o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração contra Crianças e Adolescentes, reproduzo abaixo, a íntegra da entrevista. Acompanhem. A realidade do abuso está impressionantemente próxima de nós:

 

Ana Drummond Guerra – Dr. Tilman, quais são as formas mais comuns de abuso infantil?
Tilman H. Fürniss Hoje, levamos a questão do abuso infantil como um caso de maior importância dentro dos Direitos Humanos. Muito frequentemente, as formas de abuso estão ligadas à negligência, ao abuso civil, ou o abuso físico está ligado ao abuso sexual, ou o abuso sexual está ligado ao abuso emocional. Então, fica difícil de se enquadrar. Mas considero importante dizer que qualquer forma de abuso infantil, seja ele físico, sexual, emocional ou negligência, é um grande problema, porque causa consequências enormes no desenvolvimento psicológico e emocional da criança. É muito comum encontrar um ciclo de abuso infantil entre as gerações. A criança que foi abusada, quando adulta se torna abusadora; essa criança abusada cresce e começa a abusar das crianças novamente. Esse ciclo de abuso, com o abuso físico, emocional e a negligência, tem que ser tratado antes que se tornam abuso sexual. O abuso infantil, em todas as suas formas, é extremamente danoso para a criança e é de imensa importância como questão social, legal e de saúde.

 

Ana Drummond Guerra – Como podemos perceber que uma criança sofreu abuso sexual?
Tilman H. Fürniss Isso é muito difícil de ser percebido. Se a criança foi fisicamente abusada, você poderá vê-la sangrando ou ver os hematomas. Mas o abuso sexual, por si, só é visível em apenas 10 a 30% dos casos. Na maioria das ocorrências de abuso sexual não é possível identificar nenhum sinal, porque eles podem acontecer sem penetração. Uma das piores formas de abuso infantil, o abuso oral, não deixa nenhum sinal e gera uma confusão enorme, misturando sentimentos de medo e culpa.

 

 

Ana Drummond Guerra – O que muda no comportamento de uma criança que sofreu abuso?
Tilman H. Fürniss Crianças sexualmente abusadas podem demonstrar todo e qualquer tipo de comportamento. É por isso que não se pode simplesmente diagnosticar o abuso sexual, tem que provar que ele aconteceu. Uma criança que sofre abuso sexual pode ter problemas de sono, depressão, anorexia ou outra desordem alimentar. Um jovem pode manifestar agressividade e tornar-se criminoso. Pode haver todo tipo de comportamento sem que nada seja específico. Obviamente, se há um dano físico na região genital, tem-se uma prova. Mas mesmo com danos físicos nessa região, pessoas dizem “a criança se machucou em alguma quina”, ou coisas desse tipo. Tem-se que tentar recolher mais informações do que somente sintomas como uma cicatriz, por exemplo. A criança tem que ser poupada. Há indícios de que uma criança pode exibir algum tipo de comportamento sexual, mas isso não é uma regra. Crianças novas, até a idade de 10 ou 12 anos, normalmente não demonstram nenhum tipo de comportamento sexual, porque isso não faz parte do universo infantil. Elas possuem desenvolvimento sexual e vida sexual, mas não há erotismo. Pode haver crianças de 2 ou 4 anos que se masturbam. Mas é claro que não é um ato consciente. Mas caso a criança demonstre um comportamento sexual genital, se ela chega para outras crianças e abre as calças, ou se fala sobre uma relação oral, ou se quer tocar outra criança de uma forma sexual, nesses casos é preciso ficar em alerta. Em contrapartida, isso também poderia acontecer com uma criança que tenha visto uma relação sexual de seus pais. Por isso, temos que ser muito cuidadosos. O mais importante é que o comportamento sexual em crianças pequenas seja cuidadosamente observado.
É frequente que crianças que sofreram abuso se maltratem, ou até mesmo tentem suicídio por se sentirem mal consigo mesmas, por não sentirem mais vontade de viver. Elas se sentem tão sem esperança, achando que ninguém no mundo é capaz de ajudá-las, que se cortam e se maltratam. Às vezes, podem manifestar comportamento agressivo. Temos casos de crianças que fogem de suas casas e quando perguntamos por que, elas não nos dão uma boa resposta. Isso é motivo para ficarmos em alerta.
Há também os sinais físicos. Eu já tive casos de crianças que após terem parado de fazer xixi na cama, aos sete anos, voltaram a urinar novamente na idade de 13, 14 anos. Depois, descobrimos que essa criança foi abusada sexualmente. Esse pode ser um sinal físico. Mas pode haver também indícios comportamentais ou emocionais. Recentemente, eu trabalhei uma menina que cortou todo o seu cabelo e começou a usar roupas largas. Ela não queria parecer uma garota, esperando que, assim, seu pai não abusasse mais dela. Desta forma, qualquer indício pode ser uma evidência de abuso, mas alguns deles são mais importantes, como fugir de casa, autoflagelação, comportamento sexual e, certamente, performances sem incitação ao sexo, ou sinais físicos cuja origem é desconhecida.
O problema é que quase nunca temos a prova através dos sintomas. A prova de que alguém foi sexualmente abusado só é realmente confiável quando a criança responde, em uma conversa, a perguntas como “O que aconteceu?”, “Por que você fugiu de casa?” ou “Por que você está se cortando?”

 

Ana Drummond Guerra – Qual é a melhor forma de abordar uma criança que, suspeita-se, tenha sofrido abuso sexual?
Tilman H. Fürniss Essa é uma questão muito complicada, porque você não pode simplesmente perguntar “Seu pai colocou o pênis dentro de você?”, pois isso manipula a resposta da criança. Mas se a criança não for questionada diretamente, ela não fala. Por isso é tão difícil contar para a criança que você está suspeitando que ela tenha sido abusada. Se a criança diz espontaneamente “Meu pai colocou o pênis dele em mim”, então fica mais fácil.  Mas se a criança apenas se comporta de maneira estranha, você tem que pensar, aí é difícil. Por isso, às vezes é uma luta até que uma criança diga alguma coisa. Muitas crianças não querem contar, porque elas são leais. Elas querem que o abuso sexual acabe, mas não querem que seus pais sejam punidos, que vão para a prisão ou que saiam de suas casas. Elas querem ter um pai, mas um pai que não abuse. Então, nós temos que lidar com esses pequenos segredos e tentar falar com as crianças sobre suas ansiedades.

 

Ana Drummond Guerra – As crianças vítimas de abuso têm consciência de que o que sofreram é errado e prejudicial?
Tilman H. Fürniss As crianças sabem, porque o abusador diz a elas de alguma maneira que aquilo é errado. Eles mostram através de um comportamento ou dizendo: “Se você disser isso a alguém eu te mato” ou “eu te mando embora”. Ou deixam mensagens: “Esse é o nosso segredo, você não pode contar para ninguém.” Se uma menina corta o joelho, ela vai imediatamente para a sua mãe e diz: “Olhe, eu cortei o meu joelho”. As crianças contam tudo que julgam importante, principalmente se envolver uma criança e seu pai. O abuso sexual é algo muito importante e elas não dizem para a mãe. Por que elas não fazem isso? Porque o abusador deixa claro que ela não deve contar. Ela é ameaçada: “Não diga nada, porque senão mamãe vai chorar” ou “Você será mandada embora”. A vida delas é ameaçada. Não é preciso que haja força ou violência. Esse tipo de ameaça, muitas vezes, é o bastante. Existem várias maneiras de se calar uma criança, de fazer com que ela não diga nada, pois, na maioria das vezes, o abuso sexual não é apenas uma ação, mas, sim, um relacionamento contínuo com momentos de abuso.

 

Ana Drummond Guerra – Quem são as pessoas que usualmente abusam sexualmente de uma criança?
Tilman H. Fürniss Qualquer pessoa, dependendo de como é definido o abuso sexual. A maioria das formas de abuso sexual com contato físico acontece com alguém da família ou do meio social da criança. Temos, também, um aspecto diferente do abuso sexual, a exploração comercial, como o caso da exploração sexual infantil, que é, obviamente, um caso de miséria, o que é diferente. Mas se a criança não está sendo abusada para fins comerciais, então é comum acontecer com alguém da vizinhança, família, pai, padrasto, tio, irmão e também mães: cerca de 10 a 15% dos casos de abuso são feitos por mulheres.

 

Ana Drummond Guerra – O senhor acha que o sexo explorado pela TV pode aumentar a incidência de casos de abuso sexual?
Tilman H. Fürniss Não acredito que isso seja um dos fatores responsáveis. É muito mais perigoso assistir às cenas de violência e, obviamente, ao sexo violento. Se a criança assistir a uma relação sexual na TV, ela provavelmente só vai ficar assustada caso as personagens em cena façam muito barulho, por achar que estejam sendo machucadas. O erotismo mostrado na TV não é relevante nesse aspecto, sendo esse um problema apenas de ordem moral. O que interfere nesse caso, especificamente, é a demonstração de violência.
Ana Drummond Guerra – Os casos de abuso são um problema social, governamental, familiar ou de todos?
Tilman H. Fürniss A culpa provavelmente é da biologia e da química. O responsável é a pessoa que abusa. O abuso sexual sempre aconteceu na história. O incesto sempre existiu e o tabu gerado dele é a prova de que pensamentos, ideias e questões do incesto continuam hoje. O responsável é aquele que faz o ato, que na maioria das vezes é o homem e algumas vezes a mulher. É muito importante dizer que o abuso sexual não é um problema das classes mais baixas ou de uma economia fraca. O abusador sexual está distribuído em todas as classes igualmente, mas é diferente no caso do abuso físico. Há mais violência física nas classes baixas, já nas classes altas há mais o abuso emocional. Já tive casos de abusadores que são jornalistas, médicos, advogados, padres. Também aqueles que eram alcoólatras. O abuso sexual pode ser um vício. Uma vez feito o abuso, há o perigo de se fazer de novo e mais seriamente. O abuso sexual normalmente começa na adolescência, em jovens, e não quando já se tem 30, 40 ou 50 anos. É mais frequente uma pessoa de 13, 14, 15 anos começar a abusar. Na fase na qual a sexualidade é desenvolvida, eles se sentem vítimas de suas fantasias; é assim que o abuso começa. O abuso sexual, como outras formas de vício, começa na cabeça de quem age, ao permitir a si mesmo seguir as fantasias sexuais.

 

Ana Drummond Guerra – Há alguma maneira de se prevenir o abuso sexual?
Tilman H. Fürniss Primeiramente, começamos com um tratamento e um reconhecimento do caso. Não usamos a prevenção. Temos que conhecer todos os sintomas para saber como tratar a criança. Fazendo assim, nós aprendemos muito mais sobre o comportamento de quem abusa. Tratar a criança já faz parte da prevenção, porque sabemos que é muito mais provável que a criança que foi abusada uma vez seja abusada novamente. Elas se sentem amedrontadas e acham que ninguém é capaz de protegê-las.
Temos que tratar não só as garotas, mas também os garotos que sofreram abusos. Cerca de 25 a 40% das vítimas são meninos. Mas não os vemos porque normalmente eles não dizem nada. Isso porque o “macho man” não pode ser uma vítima. Ele tem que lidar não só com os homens, mas também com as mulheres, que nunca esperam que um garoto venha a ser abusado. Esse menino é muito mais propenso a tornar-se um abusador no futuro.
Temos que tratar também a pessoa que abusa. Tratando das vítimas, conseguimos entender porque várias vezes eles se tornam abusadores. Hoje, temos um grupo de adolescentes entre 12 e 14 anos que realmente são abusadores sexuais. Se eles forem tratados logo que o problema for detectado, estaremos prevenindo o abuso final.
Não é muito bom falar com a criança de forma preventiva. Em programas de prevenção, temos que alertar o público, mas não para a prevenção. Os programas de prevenção são terríveis, porque eles dizem para a criança que se alguém se aproximar com a intenção sexual é só dizer “não” e contar para alguém o que aconteceu; assim o abuso não acontecerá mais. A criança não pode fazer isso. Até mesmo mulheres que são espancadas por seus maridos normalmente não deixam suas casas, nem dizem a ninguém o que aconteceu. Como, então, uma criança seria capaz de fazer isso? É impossível, é loucura, é irresponsabilidade. Já vi garotas que tentaram se suicidar como uma consequência do trabalho de prevenção.

 

Fonte: http://visaomundialbr.blogspot.com


Tilman H. Fürniss é psiquiatra e sociólogo alemão especialista no tratamento de crianças e adolescentes e membro do Grupo Governamental alemão de Trabalho contra o Abuso Infantil e Negligência. Tilman é co-autor do primeiro projeto europeu para o tratamento do abuso sexual de crianças e adolescentes.


DENUNCIE!


Conheça o projeto Tartanina e descubra como VOCÊ pode participar do combate ao abuso sexual infanto-juvenil:

https://www.udf.org.br/tartanina

 

 


CONHEÇA NOSSOS CURSOS