Compartilhe!

Ore pelos EUA

Imagem ilustrativa.

Ore pelo EUA
Por Doug Stringer*

Antes que as luzes se apaguem e a presença de Deus se retire de uma nação!

Samuel 4 conta a história de uma das horas mais difíceis de Israel. Os filisteus tinham derrotado Israel; os sacerdotes de Deus, Eli, Hofni e Finéias estavam mortos; e a Arca da Aliança tinha sido capturada. Depois de ouvir as notícias da Arca e dos sacerdotes, a mulher de Finéias chamou seu filho recém nascido de Icabode, significando “A glória de Deus se retirou”.

O que gerou essa “hora negra”? O que houve para que a presença de Deus se retirasse da terra? E o que nós da Igreja hoje podemos aprender através desses tempos na história de Israel?

O Tabernáculo em Siloé

Recentemente eu e minha esposa estávamos em Israel como convidados do Ministério de Relações Exteriores de Israel. Durante nossa estadia, visitamos o local onde o tabernáculo ficava em Siloé, como é dito em 1 Samuel 1- 4. Enquanto estávamos no lugar exato onde Ana teria clamado a Deus (capítulo 1), Lisa e eu começamos a orar do fundo de nossos corações. Quando orei, Deus me deu uma nova perspectiva do significado do que aconteceu ali. Houveram dois eventos significantes nos dias que culminaram com a derrota de Israel e a perda da Arca – o primeiro deles deve servir como um sinal de alerta para a Igreja hoje, e o outro como uma mensagem de esperança durante tempos difíceis. A primeira coisa foi à lâmpada de Deus apagar por causa da desobediência e comprometimento da liderança da nação. Especificamente, foi à maldade de Hofni e Finéias, e a apatia de seu pai, Eli, que não fez nada para corrigir seus filhos, que levou ao “Icabode” e à glória de Deus se retirar da nação.

As Escrituras nos dizem que Hofni e Finéias “não se importavam com as coisas de Deus”. Eles cometiam prostituição no templo e se  aproveitavam das pessoas que vinham sacrificar a Deus em Siloé. Além do mais, negligenciavam seus deveres sacerdotais, sendo que um deles era o de manter a lâmpada cheia de óleo para que a chama não se apagasse. Enquanto essa tragédia acontecia, entretanto, havia outra parte da história se desenvolvendo, que serve como uma mensagem de esperança. Apesar da maldade dos sacerdotes, Deus ainda estava trabalhando em seu plano de redenção. Em 1 Samuel 1, uma mulher estéril clamou a Deus por um filho, se comprometendo a dedicar a vida dele a Deus se seu pedido fosse atendido. Deus respondeu seu clamor e o filho de Ana, Samuel, foi a Siloé ainda uma criança para servir na casa de Deus. De uma situação humanamente impossível, Deus trouxe uma nova geração de profetas e juízes justos.

Em 1 Samuel 3: 3 a Bíblia nos diz que “a lâmpada de Deus ainda não havia apagado” quando Deus chamou Samuel a primeira vez. Apesar de Deus pretender trazer julgamento a Hofni e Finéias, ele também prometeu levantar “um sacerdote fiel”, que seguiria seus mandamentos.

Desobediência pessoal e falta de poder pública

Conforme refleti em tudo que aconteceu em Siloé, fui atingido por esse verdade: desobediência pessoal causa uma falta de poder público. Hofni e Finéias praticavam desobediência pessoal. Estavam profanando as coisas santas de Deus, negligenciaram suas obrigações de servir nas tarefas que Deus os havia dado. Abusaram de sua autoridade sacerdotal e se aproveitavam das pessoas. É provável que esses filhos de Eli pensassem que poderiam continuar em seus pecados sem nenhuma consequência.

Apesar do fato de que o que faziam em secreto pode não ter sido publicamente declarado, Deus viu. E as consequências de seus pecados pessoais alcançaram a nação inteira. Em 1 Samuel 4: 1-3, os israelitas sofreram uma derrota nas mãos dos filisteus. Como resultado, decidiram levar a Arca da Aliança para ir com eles na batalha seguinte, pensando que ela os salvaria. Eles não perceberam que a presença de Deus já os havia deixado e que a Arca não os traria a vitória que queriam. Foram derrotados outra vez e a Arca foi capturada, e Hofni e Finéias morreram no dia da batalha.

Como Israel, muitos na igreja estão se deixando levar por suas emoções, se apegando a tradições e praticando o cristianismo institucional. Mas a presença de Deus não está mais lá e nossas instituições estão sem poder. Nos enganamos ao pensar que nossos pecados pessoais não foram percebidos, mas o que fazemos em nossas vidas pessoais tem um efeito público, corporativo. O inimigo continua a vencer batalhas e tomar território em nossa nação, enquanto a igreja em sua maioria se preocupa com seus problemas. Colocamos a culpa de nossas perdas no governo, políticos, ou naqueles que não concordam conosco; com pouco entendimento do papel que temos na nossa própria derrota. A chave para a vitória não é a Arca, nem nossas instituições cristãs, mas obediência.Desobediência faz com que a lâmpada apague e a presença de Deus parta. Sem Sua presença, não pode haver vitória.

Em busca do fiel

Ezequiel 22 descreve um Israel desobediente que me lembra muito do que eu vejo em nossa cultura hoje. Descreve cinco tipos de pessoas – o que eu chamo de cinco “P”s – que se distanciaram dos caminhos de Deus. Deus culpa os Príncipes, Políticos, Profetas, Pastores e o Povo por permitir que sangue inocente seja derramado na terra, permitindo que a corrupção e injustiça prevaleçam. Muitos estavam ignorando o que estava acontecendo a sua volta por preferências pessoais ou ganho próprio. Soa familiar? No verso 30, o Senhor diz, “E busquei dentre eles um homem que levantasse o muro, e se pusesse na brecha perante mim por esta terra, para que eu não a destruísse; porém a ninguém achei.” Deus estava procurando por um sacerdote, profeta, e juiz que, como Samuel, seguiria Seus mandamentos.

Acredito que Deus está nos dando o mesmo alerta hoje. Como Israel antes de nós, não estamos percebendo que a lâmpada do Senhor está se apagando, o olho está quase no fim e a presença do Todo Poderoso está partindo do nosso meio. Deus está procurando por um remanescente fiel que seguirá seus mandamentos e honrará Sua palavra. Nossos políticos e príncipes são corruptos. Nossos profetas e sacerdotes não tem caráter. O povo está se afogando num mar de iniquidade e perversão. O que podemos fazer?

Preparar, preparar, preparar

Para os que ouvem o alerta de Deus, há um chamado para preparação para os tempos à frente. Há um chamado triplo – preparar a Noiva, preparar a Arca, preparar o caminho do Senhor. Um homem que prestou atenção no alerta e se preparou foi Noé. Hebreus 11: 7 nos diz que “pela fé Noé, divinamente avisado das coisas que ainda não se viam, sendo temente a Deus, preparou uma arca para o salvamento da sua família” Noé viveu em dias maus, cheio de corrupção e imoralidade. Mas ouviu o alerta de Deus que julgamento estava a caminho e se preparou. Como resultado, sua família foi salva, assim como todas as coisas vivas que estavam com ele na arca.

De maneira semelhante, Deus quer que Sua igreja se prepare para os dias a nossa frente e seja uma arca de refúgio em tempos difíceis. Ao nos prepararmos e nos alinharmos aos princípios do Reino, individual e corporativamente, podemos estar prontos para ajudar outros. Quando desastres vierem, teremos a oportunidade de testemunhar (Lucas 21: 13).

Enchendo nossas lâmpadas com Óleo

Apocalipse 19: 7 diz: “Regozijemo-nos, e exultemos, e demos-lhe a glória; porque são chegadas as bodas do Cordeiro, e já a sua noiva se preparou”. Como aqueles esperando a chegada do Noivo, devemos nos preparar. Como a Noiva pode se preparar? Uma dica que temos da Palavra é a parábola das 10 virgens em Mateus 25. A parábola diz que havia cinco virgens sábias e cinco virgens tolas. As virgens sábias estavam preparadas para a chegada do noivo, com suas lâmpadas cheias de óleo. As tolas deixaram que seu óleo acabasse e quando o noivo veio, não tinham luz para enxergar. Como Hofni e Finéias, essas virgens tolas não mantiveram a lâmpada cheia de óleo, e como resultado, foram deixadas para trás quando o noivo chegou.

Infelizmente, grande parte da Igreja hoje é como as cinco virgens tolas. Ficamos apáticos em reação às coisas de Deus. Não guardamos o óleo – representando a presença e unção do Espírito Santo – em nossas lâmpadas. Nos acostumamos à escuridão a nossa volta e não estamos preparados para os dias a nossa frente.

Deus está chamando Seu povo à acordar e lançar fora sua apatia e letargia. Ele está nos chamando a escutar o alerta divino sobre os dias que virão e para preparar, preparar, preparar. Devemos nos preparar para Sua vinda, enchendo nossas lâmpadas de óleo. Devemos preparar a Igreja como uma arca de refúgio para os que estão perecendo. Devemos preparar o caminho do Senhor!

Esperançai tempos difíceis

Os tempos que estamos passando são difíceis. Tudo ao nosso redor está sendo chacoalhado, de modo a que apenas o que é inabalável vai permanecer (Hebreus 12: 27). Muitos preveem um grande colapso econômico. Incêndios, enchentes, terremotos e desastres naturais vão abundar.

A falência moral de nossos líderes e o declínio de nossa cultura continua. Esses tempos desafiadores devem nos levar a prestar atenção aos alertas de Deus, que nos ama e nos quer salvar dos dias maus. Mas eles também devem fazer com que nos alegremos na esperança que resta. Deus quer nos redimir e restaurar. Ele está buscando os fiéis com os quais Ele pode mudar uma nação.

Em meio à desobediência pessoal de Hofni e Fineías, Deus já estava se preparando para levantar Samuel do que parecia uma situação impossível. Ana clamou a Deus em desespero pelo cumprimento, impossível, de uma promessa. Deus não se esqueceu de Ana, nem havia se esquecido de Israel. Ele tinha um plano e tempo perfeitos. Samuel representou uma voz nova e profética que se levantaria na nação. Ele representou uma geração justa que substituiria o que havia sido profanado.

Uma geração de Samuel

Acredito que na América, Deus irá levantar uma nova e profética voz de coragem. Acredito que Ele substituirá o judiciário injusto e levantará juízes justos. Mas é crucial que percebamos o estado em que estamos ao invés de nos preocuparmos apenas conosco. Se o óleo se acabar e a lâmpada se apagar na Igreja, será possível continuar no movimento de cristianismo institucional, mas em realidade, será apenas forma. Cristianismo de forma é como bijuteria: muito luxo e brilho, mas sem valor real. Um dos meus pais espirituais, Dr. Edwin Louis Cole chamava isso de “Mercadoria barata”. Não devemos nos contentar com uma faixada compensatória celebrações públicas não terão poder.

Quando chegar o tempo de outra profunda batalha espiritual, a alma de nossa nação entrará em colapso se a Igreja não tomar sua posição de direito. Nossa lâmpada deve estar cheia do óleo do Espírito Santo. Podemos fazer declarações públicas, mas sem a presença e o poder de Deus, não há experiências mais elevadas (em inglês “upperroom”, algo como quarto de cima). Leonard Havenhill, que me abraçou como a um neto espiritual, costumava dizer “muitos querem uma experiência “upperroom”, como a do dia do Pentecostes, mas não querem se humilhar e ficar de joelhos em frente a cruz de Cristo”. Veja, muitos querem a presença e o poder de Deus, mas se esquecem que não podem escapar do lugar de humilhação, santidade e honestidade que vem dos nossos joelhos. Precisamos de uma nova revelação do trabalho da Cruz e do poder da ressurreição em um lugar de humildade genuína – morrendo para nós mesmos.

Uma das formas mais elevadas de louvor é a simples obediência à Deus. Eles nos dão mostras públicas de poder ao invés de mostras públicas de falta de poder. Nossa falta de oração pessoal se transformou em falta de poder pública.

compensando externamente o que falta interiormente. Porque sem a presença de Deus, nossas mais elevadas de louvor é a simples obediência à Deus. Eles nos dão mostras públicas de poder ao invés de mostras públicas de falta de poder. Nossa falta de oração pessoal se transformou em falta de poder pública. Precisamos vozes proféticas corajosas e claras para ressoar do púlpito da América assim como retidão para permear a política. Temos um judiciário injusto e precisamos uma nova geração de juízes justos para se levantar na nação. Precisamos de Príncipes, Políticos, Pastores, Profetas e de um Povo que ama a Deus e aos outros mais do que a si mesmos. Dos pregadores aos políticos, dos púlpitos à política e tudo que estiver entre esses dois, precisamos de um AVIVAMENTO DE CARÁTER!

Precisamos que uma geração Samuel se levante! Deus quer re-confirmar sua Aliança, Promessa e Comprometimento, para que possa restaurar a nação… Antes que a lâmpada do Senhor se apague e a glória de Deus se retire da terra.

*Doug Stringer é autor do livro “Quem é seu pai agora?” lançado pela Editora Universidade da Família.

CONHEÇA NOSSOS CURSOS