Compartilhe!

“Meus Heróis Morreram de Overdose”

226556_460035290737120_1497373934_n
Capa da revista Veja sobre o acontecimento da morte de Cazuza.

MEUS HERÓIS MORRERAM DE OVERDOSE
Por Dinart Barradas* 

Em 1988 Cazuza lançou seu terceiro álbum IDEOLOGIA. Descobriu que estava com AIDS em 1985, submeteu-se a vários tratamentos, inclusive nos Estados Unidos sem, contudo, obter a longevidade que hoje nutre de esperança os portadores do vírus HIV. A canção com o mesmo nome foi eleita a música do ano e o álbum, premiado vários vezes, continha canções marcantes.

Mas o que hoje me traz esta canção de volta a memória é o fato de que de 1988 para cá inúmeros foram os “ídolos da juventude” que morreram em virtude das drogas, do estilo de vida desregrado e do envolvimento em relacionamentos conturbados. Muitos outros quando não foram vítimas foram os algozes de amantes ou desconhecidos.

O que está acontecendo com nossos filhos? Sim, digo nossos porque esta tragédia está bem perto de nós. Acontece em nossos círculos de amizade, na vizinhança, na escola e até mesmo dentro de nossas casas.

Não querendo correr o risco da generalização, digo que a maioria dos ícones das crianças, adolescentes e jovens tem se tornado no que existe de pior em termos de moralidade, bons costumes e vida estruturada.

Ensine a seu filho tudo o que precisa ser ensinado; seja para ele o exemplo de vida que causa admiração e desejo de replicar; proporcione para ele contato com pessoas cuja índole, postura e conduta sejam inspiradoras. Quando heróis assim morrem, morrem por uma causa nobre. Estes dedicam suas vidas a uma causa maior do que eles mesmos e, ainda após a morte, suas obras os seguem.

Perdemos Elis Regina, Cazuza, Cássia Eller, Chorão e outros mais que não consigo me lembrar. Todos cercados de uma aura de rebeldia, práticas reprováveis, vícios e auto-destruição ainda que dotados de muita beleza poética, carisma e talento.

Perdemos Betinho, Zilda Arns, Chico Mendes e outros mais, todos com seus defeitos, características que talvez não aprovemos, mas cercados de uma aura de generosidade, amor ao próximo, paixão por uma causa e auto-sacrifício.

Quem serão os heróis de seu filho: Os mortos pela overdose ou os imortais do overloving?

*O autor é diretor do ministério de Educação de Filhos (GFI) da Universidade da Família (UDF).
**Texto originalmente publicado em Ensine a seu Filho.

CONHEÇA NOSSOS CURSOS